‘Febre do Rato’ é o grande vencedor do Festival de Paulínia

Às 21h da noite desta quinta-feira (14) teve início a festa de encerramento do Festival de Paulínia e a consequente premiação dos melhores da edição. O título de Melhor Filme ficou com Febre do Rato, do diretor Cláudio Assis, longa que ainda levou mais sete Meninas de Ouro – Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Fotografia, Melhor Montagem, Melhor Trilha-Sonora, Melhor Direção de Arte e ainda o Prêmio da Crítica. No total, abocanhou quase R$ 400 mil da organização do evento.

Na categoria de documentários, o vencedor foi Rock Brasília – Era de Ouro, de Vladimir Carvalho. O Melhor Curta Nacional foi Café Turco, de Thiago Luciano. Entre os Curtas Regionais, quem levou a melhor foi O Argentino, de Diego da Costa.

No total, o evento distribuiu R$ 800 mil em prêmios, sendo que só para Melhor Filme foram destinados R$ 250 mil – valor equiparado ao do Festival de Brasília, que ocorre em setembro.

O evento
A quarta edição do Paulínia Festival de Cinema começou na quinta-feira (7) com uma cerimônia de abertura seguida pela exibição do filme Corações Sujos, de Vicente Amorim, inspirado no livro homônimo de Fernando Morais.

Em todas as manhãs foram realizados debates dos filmes exibidos na noite anterior. No fim da tarde, começava a exibição dos curtas, um documentário, mais curtas, e um longa, sempre nesta ordem.

Assim, O Palhaço, de Selton Mello; Meu País, de André Ristum; Onde Está a Felicidade?, de Carlos Alberto Riccelli; Os 3, de Nando Olival; Trabalhar Cansa, de Juliana Rojas e Marco Dutra; e finalmente Febre do Rato, de Cláudio Assis, foram caindo ou não no gosto do público.

Também tiveram lugar os documentários Uma Longa Viagem, de Lúcia Murat; Rock Brasília – Era de Ouro, de Vladimir Carvalho; A Cidade Ímã, de Ronaldo German; Ibitipoca, Droba pra Lá, de Felipe Scaldini; Ela Sonhou que eu Morri, de Maíra Bühler e Matias Mariani; e À Margem do Xingu – Vozes Não Consideradas, de Damià Puig, também apresentados um por dia, nesta ordem.

O festival teve muita adesão do público, principalmente nas sessões das 21h, com os longas de ficção. Por causa disso, começou de cara com o O Palhaço na primeira noite de disputa. Sessões extras ainda foram montadas às 23h para que o público que ficasse para fora tivesse a chance de assistir ao longa mais tarde.

Paulínia ainda contou com uma exibição especial de O Transeunte de Eryk Rocha, que já tinha estreado em Brasília e por isso não pôde concorrer ao prêmio. A película foi exibida às 15h da terça-feira (12), com debates e entrevistas no dia seguinte, no mesmo horário.

Paulínia Fest
Este ano, além do festival de cinema, o evento inaugurou um festival de música, que recebeu o nome de Paulínia Fest, e foi realizado nos três primeiros dias do evento. Rita Lee, Caetano Veloso, Seu Jorge, Gilberto Gil e Vanessa da Mata se apresentaram.

Vencedores do Paulínia Festival de Cinema:
Longa-metragem
Melhor Filme de Ficção: Febre do Rato, de Cláudio Assis
Melhor Documentário: Rock Brasília – Era de Ouro, de Vladimir Carvalho
Prêmio Especial do Júri: Trabalhar Cansa, de Juliana Rojas e Marco Dutra
Melhor Diretor de Ficção: O Palhaço, Selton Mello
Melhor diretor de Documentário: Ela Sonhou que Eu Morri, de Maíra Bühler e Matias Mariani
Melhor Ator: Irandhyr Santos, Febre do Rato
Melhor Atriz: Nanda Costa, Febre do Rato
Melhor Ator Coadjuvante: Moacyr Franco, O Palhaço
Melhor Atriz coadjuvante: María Pujalte, Onde Está a Felicidade?
Melhor Roteiro: O Palhaço, de Selton Mello e Marcelo Vindicatto
Melhor Fotografia: Febre do Rato, Walter Carvalho
Melhor Montagem: Febre do Rato, Karen Harley
Melhor Som: Trabalhar Cansa, Daniel Turini, Fernando Henna e Gabriela Cunha
Melhor Direção de Arte: Febre do Rato, Renata Pinheiro
Melhor Trilha-Sonora: Febre do Rato, Jorge du Peixe
Melhor Figurino: O Palhaço, Kika Lopes

Curta-Metragem Nacional
Melhor Filme: Tela, de Carlos Nader
Melhor Direção: Uma Primavera, de Gabriela Amaral Almeida
Melhor Roteiro: O Pai Daquele Menino, de Gustavo Suzuki

Curta-Metragem Regional
Melhor Filme: O Argentino, de Diego da Costa
Melhor Direção: O Argentino, de Diego da Costa
Melhor Roteiro: 3X4, de Cauê Nunes

Prêmios da Crítica
Melhor Longa-Metragem de Ficção: Febre do Rato, de Cláudio Assis
Melhor Documentário: Uma Longa Viagem, de Lúcia Murat Melhor Curta-Metragem: Tela, de Carlos Nader

Prêmios do Júri Popular
Melhor Longa-Metragem de Ficção: Onde Está a Felicidade?, de Carlos Alberto Riccelli
Melhor Documentário: À Margem do Xingu, de Damià Puig
Melhor Curta-Metragem Nacional: Café Turco, de Thiago Luciano
Melhor Curta-Metragem Regional: O Argentino, de Diego da Costa

Fonte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s